Divas do Samba – Nara Leão

Esses dias comecei a pesquisar sobre as mulheres que tiveram papel fundamental para a história do samba brasileiro. Sem me preocupar com ordem cronológica, comecei por Nara Leão.

Sempre me atraí por sua história de garota de família rica e bem relacionada, que começou a estudar violão aos 11 anos e presenciou nada menos que o nascimento da bossa nova no apartamento de seus pais em Copacabana, pois lá aconteciam rodas com músicos como Roberto Menescal, Carlos Lyra, Sérgio Mendes e Ronaldo Bôscoli, seu namorado na época. Até João Gilberto se juntou ao grupo num determinado momento. Essa proximidade com o grupo lhe rendeu o título de “musa da bossa nova” e várias canções foram a ela dedicadas, como O Barquinho, Se é Tarde me Perdoa, Lobo Bobo. Mais tarde encomendaria uma canção a Chico Buarque e seria brindada Com Açúcar, Com Afeto.

O início de sua carreira aconteceu quando subiu no palco com Vinicius de Morais e Carlos Lyra no musical Pobre Menina Rica. O que ninguém  esperava é que no ano seguinte, em 1964, a musa da bossa lançasse seu primeiro disco com “sambas de morro”, como Diz que Fui por Aí (Zé Kéti e Hortêncio Rocha), O Sol Nascerá (Cartola e Elton Medeiros), Luz Negra (Nelson Cavaquinho e Hiraí Barros).

A seleção gerou polêmica entre os seguidores da bossa-nova, Nara foi a primeira cantora branca, da zona sul, a homenagear sambistas esquecidos. E ela não pararia por aí. Seu próximo LP, Opinião de Nara, gravado no mesmo ano, teria mais músicas de Zé Kéti: Opinião e Acender as Velas. Daria origem ao espetáculo Opinião, dirigido por Augusto Boal, que teria no elenco ela, Zé Kéti e João do Vale.

O show fazia crítica social à repressão imposta pelo regime militar. No ano seguinte, impossibilitada de atuar por estar afônica, Nara convidou Maria Bethânia, então estreante, para substituí-la. Dessa forma teve participação na projeção da intérprete baiana, que lindamente nos brindou com sua interpretação de Carcará (João do Vale e José Cândido) durante o espetáculo.

Em 1966, é vencedora do II Festival de Música Popular Brasileira da Record ao interpretar A Banda, de Chico Buarque. Sempre engajada e atual, Nara lançou vários músicos da MPB, como Chico, Paulinho da Viola e Sidney Miller. Também foi uma das primeiras a apoiar o movimento da Tropicália, que reivindicaria novas influências musicais nos finais da década 60. Em 1972, participou de Quando o Carnaval Chegar, filme de Cacá Diegues, ao lado de Chico Buarque e Maria Bethânia.

Nara faleceu em 89, vítima de um tumor no cérebro. Tinha apenas 47 anos. Quem tiver curiosidade para conhecer mais a cantora pode apreciar a leitura do artigo Nara: o Pássaro e o Leão, de Augusto Buonicore, no Portal Vermelho.

~ por Maíra em abril 14, 2011.

Uma resposta to “Divas do Samba – Nara Leão”

  1. Nara Leao the Musa da Bossa Nova Bossa Novas Muse as she is affectionately known was a prominent figure in bossa nova. Nara Leao the Musa da Bossa Nova Bossa Novas Muse as she is affectionately known was a prominent figure in bossa nova.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: